ESTIAGEM PREJUDICA SAFRA DE SOJA NO RS

Por Dr. Guilherme Victor Vanzetto

O tempo predominantemente seco, temperaturas elevadas e chuvas irregulares prejudicam a produtividade da soja no Rio Grande do Sul. Cerca de 30% da cultura encontra-se na fase de enchimento de grãos, a paisagem é de plantas murchas com a face das folhas voltadas para cima, queda acentuada de flores e vagens com pouco enchimento. As cultivares de ciclo precoce são as mais afetadas, entretanto os ciclos tardios também começam a apresentar perdas de produtividade.

A exceção são os locais onde ocorreram melhores acumulados de chuvas nas últimas semanas, permitindo que as lavouras se recuperem. As lavouras que apresentam estande de plantas com falhas e diferenças no desenvolvimento, decorrentes dos efeitos da estiagem, foram beneficiadas pelas chuvas ocorridas nos primeiros dias do mês e o retorno da umidade nos solos, permitindo sua recuperação através da emissão de ramificações ou de um maior engalhamento das plantas.

Na bovinocultura, a escassez de pastagens suficientes para suprir as demandas dos rebanhos, levou os produtores a aumentar o uso de alimentos suplementares, como feno, rações, resíduos de lavoura, para evitar uma queda ainda maior da produtividade. As temperaturas elevadas  afetaram o bem-estar dos animais, reduzindo o consumo de alimentos ao custo da produtividade.

A poucos dias de uma das maiores feiras do setor, a Expodireto – Cotrijal, o mercado mantem-se estável com expectativa de bons negócios se o tempo colaborar. A exposição promete debates para o setor do agronegócio e uma novidade no setor agropecuário, um evento voltado a cadeia da carne bovina.